A justificativa e a Realidade em torno do custo dos óleos de cannabis.

Barbara Gael
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

O processo – Da semente ao Óleo

Muitas pessoas acham caros mesmo os óleos de cannabis de associações, bem mais acessíveis que os importados ou de farmácia. Como ainda falta informação, elas nem imaginam os custos, prazos e dificuldades de plantar para fazer óleo medicinal de cannabis. (Isso sem falar no trabalho envolvido em manter uma associação, acolher pacientes, fazer eventos, pagar aluguel da sede, advogado, contador, funcionários etc.) Então vou dar uma ideia geral da coisa. Começando por: o cultivo no Brasil ainda é proibido, então quem planta pode ser enquadrado como traficante.

Prazos

Existem dois tipos de sementes: automática e fotoperíodo. As automáticas levam 3-4 meses para poder ser colhidas, mas renderão pouco. As fotoperíodo rendem bem mais, mas levam 6-8 meses. E depois da colheita ainda é preciso secar (alguns dias) e deixar curar (pelo menos um mês).

Assim sendo, entre germinar a semente (clones serão um pouco mais rápidos) e poder fazer o óleo se levará entre 4 e 9 meses. Cultivadores experientes conseguem reduzir esses prazos, bem como ter colheitas mais fartas. Mas não se chega nesse ponto sem estudo e prática.

Custos

Devido à proibição, a maioria das pessoas cultiva dentro de casa, com luz artificial. Um cultivo pequeno, de 1 metro quadrado, terá um investimento inicial em lâmpadas potentes (400-1200 reais) e vai gerar um aumento de no mínimo 150 reais na conta de luz, durante 3 a 8 meses.

Plantas com pouca luz não crescem bem. Podem ficar vegetando sem entrar na flora, podem florir mas render muito pouco. O mínimo necessário são 300 W de luz para 1 metro quadrado – cerca de 3 plantas grandinhas (algumas técnicas de plantio colocam mais).

Além do valor das lâmpadas e na conta de luz, se gasta na compra das sementes (infelizmente com risco de golpes), dos fertilizantes, medidor de temperatura e umidade, ventilador, terra, vasos etc.

Depois de curar as flores – na realidade infrutescências – da planta chega a hora de fazer a extração do óleo. E com ela, mais gastos. Álcool de cereais, termômetro culinário (se passar da temperatura o extrato perde propriedades), óleo de coco, azeite ou outro para a diluição, vidros e conta-gotas.

Rendimento

A quantidade de flores obtidas de cada planta pode variar bastante. Além do tipo da planta, influenciará no rendimento a quantidade de luz utilizada, bem como de fertilizantes.

Já vi mães jardineiras fazendo cultivo indoor conseguirem apenas 50 gramas de flores (pesadas depois de secas) em uma planta, ao passo que outras obtiveram 300 g. Numa planta fotoperíodo crescendo ao ar livre a quantidade pode ser bem maior.

Seja como for, o rendimento de um cultivo bem sucedido permitirá a produção do próprio óleo para um bom tempo. Por isso pacientes que precisam de doses muito altas frequentemente acabam preferindo pedir habeas corpus e plantar o próprio remédio.

Riscos e perdas

As plantas de cannabis são muito sujeitas a pragas, e o cultivo medicinal deve ser feito sem agrotóxicos. Mesmo cultivadores experientes podem perder safras por conta de mosca branca e outras pragas. O risco existe, é preciso cuidar diariamente. E também há riscos no uso dos fertilizantes. Se forem aplicados em excesso podem matar a planta.

Quando a semente não é “feminizada”, pode acabar rendendo uma planta macho ou hermafrodita (que em geral vira macho). Isso significa que ela não terá flores, portanto não servirá para o óleo. E para saber o sexo… só quando a planta chegar na hora da flora, depois de 2-4 meses. Se for macho terá de ser descartada. Dinheiro perdido.

Na época da flora o cheiro se espalha bastante. O que pode ser problemático, gerar denúncia de vizinhos etc. É possível amenizar, com filtros etc, mas isso também tem custos.

Plantas com alto CBD costumam preferir climas mais frios, então podem sofrer ou até morrer se o cultivo ficar em um lugar muito quente. Já vi gente ter ar condicionado só para as plantas. E tome aumento na conta de luz.

Concluindo

Plantar indoor não é simples nem rápido. E definitivamente não é sem custos. Poderia até ser barato sim, plantando no sol e não dentro de casa. Mas isso não é possível sem a legalização. Nem todo mundo pode correr o risco ou quer praticar a desobediência civil.

Então vamos juntos na campanha: Legaliza Brasil!!!

#LegalizeJa #LegalizemNossoRemedio #LegalizaBrasil #EstadoDeProibicao #HabeasCorpus #associacoes #autocultivo #autoplantio #cannabis #maconha #OlharVerde #TerapeuticaCanabica #MedicinaCanabica #fitocanabinoides

Uma resposta

  1. Está muito longe a compreensão dos benefícios da cannabis no Brasil,infelizmente estamos diante de um produto sempre considerado droga aonde só vai mudar quando liberarem o uso recreativo ,assim o governo poderá lucrar com impostos ! Comparada com o Álcool que causa só problemas mas é liberado devido ao lucro
    que rende aos cofres públicos,prevalece o interesse financeiro

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: